Ir al contenido principal

Recomeçar do começo....

Foram muitos meses....uma pausa bastante larga...porém necessária. Todos os processos da vida requerem certo tempo para serem bem assimilados. E pensando bem, foi rápido! Nesses dez meses de ausência aqui do Blog deixamos o Brasil – no verão (e isso deve ser dito) – e voltamos a Barcelona no inverno. Lulu, nossa filha, tinha acabado de fazer um ano. Começamos em uma casa nova e dois meses mudamos a outra. Jadiel levou dois meses em um trabalho e então decidiu mudar (e já leva Oito meses no seu trabalho atual); eu que levava dois anos afastada da vida laboral por muitos motivos (entre eles meu projeto mãe) voltei à ativa....e rápido! O que para Lulu foi um pouco repentino. Passou de sua rotina de estar em casa comigo todos os dias a freqüentar uma escolinha aonde – desde as professoras até os coleguinhas – todos falavam com ela em Catalão.....e tudo na mesma semana!!! Levou dois dias exatos para se adaptar (Graças a Deus); foi uma das melhoras decisões que tomamos: sofrida, mas acertada. Acho que a boa adaptação de Lulu ajudou a que nós dois crescêssemos como pais, deixando de uma vez para trás todo o processo de co-dependência familiar desenvolvido durante nosso período no Brasil.

Defino o que quero dizer com Co-dependência familiar: é o fato de estar a todo o momento vivendo e rodeado por família; todos os atos e decisões tomadas passam pelo crivo de pais, irmãos, tios, primos e adjacentes. E a gente se acostuma!! E até gosta!! Por um lado esse conforto do ambiente familiar trás bastante aconchego e uma “sólida” sensação de segurança. Nosso subconsciente, mesmo quando buscamos auto-suficiência e autonomia, clama por um alento familiar na hora de tomar qualquer decisão...até as mais bestas como escolher o menu do almoço ou buscar um pediatra adepto a homeopatia.  Enfim...estávamos bastante envolvidos nessa realidade, até o ponto que já não se sabe viver sem.  Tudo isso representou um fator bastante importante no nosso processo de mudança, ou seja, saber que “da noite para o dia” deixaríamos o círculo familiar - povoado com suas reuniões, opiniões, carinhos, brigas, receitas, discussões....família – para sermos apenas Lulu, Jadiel e eu. Nós por nós mesmos. E sabe que?? Foi ótimo.



Vocês contaram quantas vezes, nesses dois últimos parágrafos, falei a palavra mudança? Ou mudar?  Pois sim...essa foi a palavra de ordem dos últimos 10 meses. Mudança em todos os sentidos. E se pudesse dar uma nota de 0 a 10 nesse processo, nos daria um 10 aos três!! Principalmente a Lulu. Por ela nos obrigamos a re-criar esse ambiente que nossas famílias no Brasil nos proporcionavam. Por ela fizemos da nossa casa um lar. Ajudou muito ter minha Irmã, cunhado e sobrinhos aqui (e toda a sua adorável família que nos acolheu literalmente). Mudamos...sim. Mas algo continuou intacto: o nosso espírito intrépido; ávido por transformações.
Dizendo isso chego ao ponto aonde tudo começou; na razão de existência desse Blog e de meus escritos. Repito a vocês – meus queridos – uma importante afirmação que foi feita La no princípio de tudo:
- O lar e a família são elementos pulsantes dentro de cada um de nós; e o melhor de tudo é que podem ser “levados” na bagagem para qualquer lugar do mundo. Há que saber cruzar essa linha tênue que separa a distancia do sofrimento para que “a vida possa fluir em outros lugares sem o peso da tão temida saudade” Albergue: Sair ou nao do Brasil? Eis a questao....

"....Temos um pé na terra e outro no vento, nossa vida ganha sentido na dança do destino, na turbulência das reviravoltas, na força das escolhas, na verdade do amor que vibra cada vez mais certeiro em nossos dias. Seguimos....apenas seguimos." 



*Imagens do Parc de La Ciutadella y Arco de Triunfo, Port Vell, Playa de Cunit - Barcelona.

*Algumas importantes observações:
- Para quem começou ler agora, todas as imagens utilizadas são de minha autoria (Todos los imágenes son de mi propiedad y están hechas por mí).

- O processo de nacionalidade de Lulu foi bastante rápido porque foi feito desde o Brasil. Aqui teríamos que esperar pelo menos um ano até a primeira “cita”. Mais detalhes em um próximo capitulo. 

Comentarios

  1. Adorei o post, eu mesmo sou uma pessoa de muitas mudanças e em constante mudança, não somente de lugar, mas de opinião, pensamentos, etc... Mudar é sempre um novo desafio e é o que nos move.

    ResponderEliminar

Publicar un comentario

Entradas populares de este blog

O Bairro e o Mar...poeticamente La Barceloneta.

De todos os cantos do mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua, Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.                                           (Mar – Sophia de Mello Breyner Andresen)


Não posso falar de meu bairro...não posso falar de La Barceloneta sem antes postar uma imagem feita com os “olhos do meu coração”. Faz tempo que queria escrever algumas linhas boêmias sobre essas ruas pequenas, sobre estes cafés de esquina, a confusão ruidosa do mercado central, o vai e vem dos “guiris” (gringos) no passeio marítimo...faz tempo. Faz também muito tempo de minha íntima relação com La Barceloneta – o bairro favorito de minha mãe (e de meu pai). Dona Nita caminha sem rumo por estas “calles”, fascinada com o vizinho que coloca o seu varal de roupa na calçada, do lado de fora de casa, e que aos outros vizinhos não lhes importe nem o mínimo a coleção de intimidades que aí está exposta. Minha mãe que em apenas um mês pode construir uma relação de sólida amizade c…

Sair ou não do Brasil? Eis a questão....

Gente! Vamos combinar! Sair do aconchego, da facilidade, das delícias - e às vezes dissabores – da casa de nossos papis é bastante complicado! Imagina então quando essa saída é uma “cruzada de charco” tremenda e você vai parar lá em outro canto do mundo! Com a gente foi bem assim...
Um grande amigo – Victor Aloy – tinha resolvido viver em Barcelona. Até este ponto para mim Espanha era a terra de minha mãe, dos meus avós e dos demais parentes que nunca tínhamos conhecido. Legal! A vida inteira tivemos a dupla cidadania e nunca soubemos muito bem o que fazer com ela. Numa reviravolta do destino, Paty, minha Irma, de um dia para outro resolve “dar um tempo do Brasil” e também vai para Barcelona. Ok! Exatamente um ano depois, eu e Jadiel, três meses de casados, desembarcávamos em El Prat – aeroporto de Barcelona – com 9 malas, 6 amigos, um punhado de Euros no bolso e muitas idéias na cabeça.
Pensando friamente, e quase nove anos depois, em um bom linguajar español eu diria que: “hay que ten…