Ir al contenido principal

Viajando com bichinhos de estimação!



Galera....quero fazer este capítulo com muito amor e carinho. Este é outro tema que temos bastante experiência. Já passamos por todas as situações possíveis viajando com nossos dois “filhos” felinos.
Eu e Jadiel compartilhamos a mesma opinião – Graças a Deus – que os animais são nossos tanto para o fácil quanto para o difícil. Não adianta querer criar um bichinho e estar sempre delegando aos outros os cuidados e responsabilidades. Como sempre gostamos bastante de viajar e, por razoes de trabalho, nos mudamos muito, começamos a pesquisar e entender os procedimentos de entrar ou sair da União Européia (e do Brasil) com nossos dois Gatos.
Antes de tudo uma breve apresentação. Thao, nosso mais velho, entrou por acaso na nossa vida em Setembro de 2007. Pelas mãos de Paty, minha Irma, que ficou encarregada de cuidar dele enquanto sua antiga dona fazia uma viagem a Londres. Foi parar lá em casa, nos apaixonamos, entramos em acordo com a dona e de lá ele nunca mais saiu.

Como sempre estávamos fora trabalhando, Thao passava muitas horas sozinho. Foi assim que – Maio de 2010 - Jadiel viu Zion, nosso caçula, na Internet e teve a idéia de ter um “irmão” que fizesse companhia à Thao. O detalhe foi que Zion nasceu em um Pueblo vizinho de Barcelona – Sabadell – e fomos buscá-lo em moto!!! Ai, ai...cada uma já fiz nessa vida...
Anyway....
Para viagens curtas sempre contamos com a boa vontade de bons amigos que, ou se mudavam para nossa casa, ou cada dia mudavam seus habituais roteiros para cuidar do bem-estar das nossas duas figurinhas. Publicamente faço questão de agradecer a Paty, Jesus, Erika, Sueli e Taninha. Amados amigos, obrigada!
Quando precisamos ir um mês ao Brasil de férias, nos demos conta que não dava para “alugar” um dos nossos amigos metendo dois gatos em casa. Cada um tem sua vida e ocupações e 30 dias é bastante tempo. Que fazemos? Levamos os gatos!!
Gente...é como venho dizendo desde o primeiro post deste blog: Todo processo burocrático pode ser bastante trabalhoso, mas depois de fazer a primeira vez a gente fica craque!!
Uma coisa que se deve prestar bastante atenção quando se viaja com animais:
  • Não deixem que falte nenhum dos papéis pedidos! Nem uma folha sequer – mesmo que ninguém venha a solicitar no aeroporto de destino. Faltar uma guia pode significar a deportação do seu bichinho. Sem dó nem piedade! Eles mandam embora mesmo!Pessoal....acontece bastante. Nós já presenciamos muita gente desesperada por isso.
Outra coisa que é essencial:
  • Dependendo do seu país de destino, a legislação pode mudar bastante, mesmo dentro da própria União Européia. Exemplo: Para levar os gatos desde Barcelona até Londres, vocês já têm que pensar que 6 meses antes desta viagem deve-se emitir um certificado de “Valoração sorológica anti-rábica” do animal. Mas se essa viagem é entre Espanha e Itália, por exemplo, este certificado já não é necessário.
Acompanhei todo o processo de uma amiga, cujo marido havia sido transferido aos Emirados Árabes – Dubai – para viajar com sua cachorrinha, Yasmin, desde Barcelona. As companhias aéreas que voam aos Emirados não aceitam unir pessoas e animais em uma mesma aeronave, ou seja, Yasmin teria que ir em um avião de carga separada dos donos. Preocupados com isso, ela e o marido contrataram uma agencia de viagens para Pets. Eles se ocupavam do transporte até o aeroporto, acompanhavam todos os tramites de embarque; tinham pessoal no aeroporto de Londres (conexão) para verificar se Yasmin havia entrado na segunda aeronave e, finalizando, recebiam e tramitavam a entrada dela em Dubai. Durante toda a viagem, desde casa, minha amiga recebia mensagens no celular que avisavam se tudo estava ok! Preço do serviço + passagem = 1000 Euros e alguns quebrados.
Gente...vamos combinar? Valeu cada centavo!! Só a tranqüilidade de saber que seu bichinho está viajando seguro e em paz...não tem preço!! Mas isso foi um caso especial e tudo vai depender o quanto você está disposto e pode gastar para levar seu Pet de passeio.
Algum tempo depois precisamos levar Thao e Zion desde Barcelona até Florência/Itália. Fiz contato com a mesma agencia e algumas mais e, cada gato, saía em média 800 Euros; viajando pela estrada. Achamos que a viagem em carro seria muito exaustiva para os dois e não nos pareceu barato. Nos organizamos e fomos todos em avião. Porém, sempre fica a Dica!! Dica!! Em casos de emergência ou para situações especiais sempre existe a possibilidade de contratar uma Agência especializada em transporte de animais.
O melhor mesmo é sempre tentar programar viagens com bichinhos com certa antecedência, alguns procedimentos podem ser bastante demorados (e caros)!
Link interessante:
Amados.....pontos fundamentais que não posso deixar de ressaltar:
  • Medidas da caixinha de transporte (ou transportin). Galera, evitem uma profunda dor de cabeça comprando exatamente a medida que a companhia aérea determinar, principalmente se o seu bichinho for transportado na cabine. O animal transportado em bodega, ou porão, possui uma “folguinha” maior. Acreditem, já aconteceu de medirem com fita métrica na hora do check in e, por alguns centímetros, quase perdemos um vôo.
  • Outro importante detalhe e que pode pegar vocês de surpresa (desagradável) é que deve-se prestar bastante atenção em vôos de conexão. Aconteceu com a gente!! Ë assim: O voo de longa duração era com Condor, com medidas X para cada caixinha. Porém, o vôo de conexão até Barcelona era com Lufthansa que nos passou medida Y para os transportins. Como resolver? Se a compra do vôo é acoplada, ou seja, a própria companhia já te passa qual vai ser a conexão, eles mesmos se responsabilizam em buscar lugar no vôo para os animais e assegurar que a sua caixinha será aceita. Se o caso é de compra separada, antes de confirmar seus bilhetes, é mandatório entrar em contato com a companhia, passar os dados do primeiro vôo e as medidas exigidas de transportin, solicitar a vaga e esperar que eles enviem – de preferência escrito em forma de comunicado – uma confirmação do seu pedido. Esse papelzinho “bendito” deve ser impresso e serve para eventuais contratempos na hora do check in. Importante!!
  • Lembrem-se que as aeronaves possuem um número limite de animais a serem transportados. Principalmente esses aviões pequenos que fazem rota dentro da Europa. Se vocês possuem mais de um Pet – que é o nosso caso – é importante ter uma comunicação bastante clara com a companhia aérea e estar atento a todos os detalhes.
  • Também para quem tem mais de um bichinho, houve uma mudança numa dessas leis de transportes aéreos e, atualmente, dois animais pesando juntos um máximo de 20 kg, podem compartilhar a mesma caixinha. Que vantagem existe nisso? Bom, além da companhia durante a viagem, se paga somente o valor de um (1) transportin. Veja bem, seguem sendo duas passagens, porém com o valor agregado de uma caixinha de transporte. Devo confessar que nossos gatos “odiaram” viajar juntos, dividindo o mesmo “pequeno” espaço. Chegaram super estressados. Algo a ser pensado!
  • De vez em quando vemos nas notícias que algum que outro bichinho consegue escapar da caixinha e fica perdido pelo meio do caminho. Que tristeza, né meu povo?!! Realmente uma viagem desorienta bastante um animal. Pensem nisso na hora de comprar o transportin. Escolham um material resistente, vejam se todos os parafusos estão aonde deveriam estar, se existe algum furo na “chaparia”. Vou dar uma dica pessoal, muito boa! Eu sempre digo que Jadiel, meu ex marido, é parente de MacGyver: o que não existe ele inventa. E assim foi com as travas para transportins. Dica!! Dica!! Na nossa primeira viagem nos demos conta que as travas eram bastante frágeis e, por pouco, os gatos não conseguiram abri-las. Pois bem! Jadiel comprou um saco de “bridas” (no Brasil são Lacres) e reforçou umas 10 vezes cada possível “rota” de fuga em cada caixa. O reforço só deve ser feito após ambos, bichinho e caixinha, passarem pelo scaner do aeroporto.
  • Minha gente vamos acabar com essa lenda de que “os animais viajam com as malas” ou “vão morrer de frio porque vão no porão”. Espera!! A coisa não é assim!! Nós temos amigos que trabalham no aeroporto e em companhias aéreas; já “interrogamos” 1000 vezes cada um deles!! Dentro de cada avião, ainda que pequeno, existe um espaço acondicionado e climatizado para transporte de animais. O que deve, sim, ser observado é se o seu animal vai estar apto para realizar este tipo viagem. Por exemplo, cães da raça Bulldog ou Pug, acredito que por uma dificuldade respiratória típica das raças, não são aceitos por todas as companhias. Fiquem de olho!!
  • A ciência pode ajudar! Para evitar um estresse excessivo dos animais, converse com seu veterinário e peça conselhos de como tranqüilizar seu bichinho antes, durante e depois de um trajeto. Atenção!! Os animais não podem estar dopados!! Primeiro porque é extremamente perigoso à saúde, ou seja, ele pode não acordar. Segundo é que os postos fronteiriços exigem que os bichinhos estejam “espertos” e aparentando estarem saudáveis ao entrar no país; um animal letárgico pode ser mal interpretado na imigração e, conseqüentemente, ser mandado de volta ou ir parar numa quarentena....não dá!! Para ajudar os gatinhos (com certeza existe a versao canina) o spray Feliway é perfeito para viagens e espaços pequenos. Inclusive começamos a utilizar 15 dias antes da partida para que eles se acostumem ao transportin. Combinado ao spray, no dia de sair, uns 30 minutos antes do check in, cada um deles toma duas gotinhas de um tranquilizante muito bom receitado por nosso veterinário em Barcelona (não vou dar a marca para evitar loucas automedicações). Please, busquem ajuda profissional!!
Ok!! Passemos agora a parte prática da coisa. Step-by-step para levar ou tirar seu Pet amigo da Espanha ou do Brasil.
  1. A idade ideal para que seu mascote comece a viajar é a partir dos 7 meses. Isso porque, além de um pouco mais de, digamos, maturidade para enfrentar uma situação de estresse, ele provavelmente já haverá tomado a maioria das vacinas exigidas e duas doses de vermífugos (a Espanha não autoriza a entrada de animais menores desta idade). Ok! Registrem todas as vacinas, bem como os remédios para verme na caderneta de vacinação do seu bichinho. Estas informações serão extremamente importantes na hora de confeccionar o passaporte.
  2. Todos os países da Europa e os que são considerados do seu entorno geográfico - Andorra, Islandia, Liechtenstein, Mónaco, Noruega, San Marino, Suiza e Vaticano – bem como USA, Rusia, Canadá, Japón e Austrália, exigem que todos os animais em transito estejam devidamente identificados através de sistema eletrônico: Microship. Gente....é super rápido de colocar, bem pequeno, indolor e não causa nenhum mal. Ao contrário! O Microship deixa seu bichinho cadastrado em uma base de dados mundial, com todos os seus contatos agregados. Qualquer veterinário do mundo, com um leitor apropriado e que tenha acesso a esta base, pode entrar em contato com você em caso de uma eventual perda (Deus nos livre!)
  3. Preenchendo uma solicitação e pagando uma quantia – na época nós pagamos 80.00 Euros por gato – O seu veterinário habitual pode solicitar o Passaporte para Animais de Companhia. Neste Passaporte, que passa a ser a “Bíblia” do seu animal, constarão os dados do Microship, da raça, idade, Foto (sim! Foto mesmo dos fofos!) e todos os registros de vacinação, bem como vermífugos e datas. A cartilha de vacinas se transfere toda aí para dentro. Faça tudo de uma vez só para economizar tempo! Sabendo que vai para o Brasil, marque com um mês de antecedência a vacina anti-rábica, preencha a solicitação do passaporte e requisite a colocação do Microship.
  4. Imprima o certificado zoosanitário para exportação de animais e deixe reservado porque, faltando uma semana para o vôo, ele deve ser preenchido pelo veterinário e carimbado pelo órgão responsável. Esse departamento responsável pelo transito de animais você encontra no próprio Aeroporto de Barcelona, só que o acesso é pela entrada de cargas, fica em um prédio antes da entrada principal; chegando lá é só perguntar e todos sabem informar.                                                          
  1. Faltando um mês para viajar você já estará aplicando a vacina e dando vermífugo ao seu bichinho, colocando o Micoship e saindo do veterinário com o Passaporte em mãos! Olha que tranqüilidade!  A única coisa que devem estar atentos é que – já disse lá em cima - uma semana antes da viagem, o veterinário precisa dar uma examinada básica nos animais e emitir o certificado de boa saúde e o mesmo vai precisar de um carimbo oficial. Atenção! Isso somente deve ser feito com menos de uma semana do seu vôo! Nós sempre vamos com quatro dias de antecedência.
  2. Reserve o dinheiro para o aeroporto e vá com bastante antecedência....mesmo que depois tenha que esperar um pouco mais, vale à pena! O bilhete, bem como taxa de embarque para animais são pagos no momento de embarcar. Ë assim: vocês vão com os bichinhos, papéis de autorização e passaportes devidamente registrados, se apresentam ao check in. O pessoal da companhia aérea revisa tudo, dá uma olhada na reserva e, com tudo ok, encaminham para que realizem o pagamento no guichê da companhia. Pagamento feito, retornam ao balcão, entregam o comprovante e, o procedimento normal é que, um funcionário da companhia acompanhe apenas um dos donos a proceder entrega e embarque do bichinhos em um lugar adequado. Deve-se retirar o animalzinho do transportin, primeiro passa a casinha pelo scaner e depois o dono com o animal. Pronto! Pets entregues!
  3. Dica!! Dica!! Quero que vocês atentem para duas coisas muito importantes:
  • A companhia aérea normalmente te dá um adesivo para colar na caixinha aonde você deve preencher com a informação completa do destino e do proprietário do animal. São adesivos pequenos e que facilmente podem ser descolados. O que nós fazemos? Nós costumamos imprimir, bem grande, todas as infos necessárias e então, com papel contact, forramos toda a caixinha. Ë bem mais visível e seguro.
  • Antes de pegar a sua conexão assegure-se que o seu Pet amigo está dentro do mesmo vôo que você. Parece lenda urbana, mas já ouvimos casos dos donos estarem no Brasil e os animais irem parar em Marrakech. Eu sempre me dirijo até a porta de embarque e peço a um dos funcionários que, por gentileza, faça contato com galpão e pergunte se dentro do avião já estão embarcados dois gatos.
Galera.....este período de um mês é para os animais que estão indo ao Brasil sem prazo de retorno à Espanha; ou bichinhos que vão para ficar por lá mesmo. No caso de ida e volta para a Europa, além de todo o processo já citado acima, vocês devem incluir o certificado de valoração de anticorpos neutralizantes. O que é isso? É a garantia que a vacina anti-rábica está bem incorporada ao seu animalzinho. Esse exame deve ser feito pelo menos um mês depois da vacina ser tomada e – no caso da Espanha – três meses antes de entrada ou regresso ao país; mantendo as vacinas em dia e registradas no passaporte, este exame é válido por toda a vida do animal. Obvio que é melhor ser feito dentro da própria España, em um veterinário certificado pela UE, e vocês já viajam com ele em mãos sem ter que passar por essa quarentena de três meses no Brasil. Aconteceu com a gente! Decidimos levar os gatos muito em cima da hora e não dava mais tempo de fazer o “bendito” teste. Realizamos o mesmo em Salvador, numa clínica em Brotas (Rua Waldemar Falcão) - não lembro o nome agora, mas já farei um adendo mais adiante – porque constava na lista de clínicas certificadas. Pagamos 500.00 Reais pelos dois gatos e esperamos uns 15 dias até o resultado (o resultado vem desde São Paulo, de um órgão oficial, para poder ser válido).
·         Embarque no aeroporto de Salvador para animais é mais ou menos o mesmo. Uma semana antes da viagem, um veterinário emite o certificado zoosanitário de boa saúde – que deve estar em Espanhol,  please! – com ele em mãos se desloquem até o aeroporto e lá, no balcão da Secretaria de Agricultura, peguem os devidos carimbos. No teste sorológico também.
·         Dia da viagem, cheguem com antecedência, paguem no aeroporto e – a diferença é essa – no próprio balcão da companhia vem um funcionário para recolher os animais, sem que vocês precisem passar com eles pelo scaner.

Ufa!!! Se acaso me passei em algum ponto os peço, por favor, que me mandem mensagens e perguntem.

Gente amada, como sempre....
Paz na jornada e muita sorte!

Abraço!

Comentarios

Entradas populares de este blog

O Bairro e o Mar...poeticamente La Barceloneta.

De todos os cantos do mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua, Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.                                           (Mar – Sophia de Mello Breyner Andresen)


Não posso falar de meu bairro...não posso falar de La Barceloneta sem antes postar uma imagem feita com os “olhos do meu coração”. Faz tempo que queria escrever algumas linhas boêmias sobre essas ruas pequenas, sobre estes cafés de esquina, a confusão ruidosa do mercado central, o vai e vem dos “guiris” (gringos) no passeio marítimo...faz tempo. Faz também muito tempo de minha íntima relação com La Barceloneta – o bairro favorito de minha mãe (e de meu pai). Dona Nita caminha sem rumo por estas “calles”, fascinada com o vizinho que coloca o seu varal de roupa na calçada, do lado de fora de casa, e que aos outros vizinhos não lhes importe nem o mínimo a coleção de intimidades que aí está exposta. Minha mãe que em apenas um mês pode construir uma relação de sólida amizade c…

Recomeçar do começo....

Foram muitos meses....uma pausa bastante larga...porém necessária. Todos os processos da vida requerem certo tempopara serem bem assimilados. E pensando bem, foi rápido! Nesses dez meses de ausência aqui do Blog deixamos o Brasil – no verão (e isso deve ser dito) – e voltamos a Barcelona no inverno. Lulu, nossa filha, tinha acabado de fazer um ano. Começamos em uma casa nova e dois meses mudamos a outra. Jadiel levou dois meses em um trabalho e então decidiu mudar (e já leva Oito meses no seu trabalho atual); eu que levava dois anos afastada da vida laboral por muitos motivos (entre eles meu projeto mãe) voltei à ativa....e rápido! O que para Lulu foi um pouco repentino. Passou de sua rotina de estar em casa comigo todos os dias a freqüentar uma escolinha aonde – desde as professoras até os coleguinhas – todos falavam com ela em Catalão.....e tudo na mesma semana!!! Levou dois dias exatos para se adaptar (Graças a Deus); foi uma das melhoras decisões que tomamos: sofrida, mas acertada…

Sair ou não do Brasil? Eis a questão....

Gente! Vamos combinar! Sair do aconchego, da facilidade, das delícias - e às vezes dissabores – da casa de nossos papis é bastante complicado! Imagina então quando essa saída é uma “cruzada de charco” tremenda e você vai parar lá em outro canto do mundo! Com a gente foi bem assim...
Um grande amigo – Victor Aloy – tinha resolvido viver em Barcelona. Até este ponto para mim Espanha era a terra de minha mãe, dos meus avós e dos demais parentes que nunca tínhamos conhecido. Legal! A vida inteira tivemos a dupla cidadania e nunca soubemos muito bem o que fazer com ela. Numa reviravolta do destino, Paty, minha Irma, de um dia para outro resolve “dar um tempo do Brasil” e também vai para Barcelona. Ok! Exatamente um ano depois, eu e Jadiel, três meses de casados, desembarcávamos em El Prat – aeroporto de Barcelona – com 9 malas, 6 amigos, um punhado de Euros no bolso e muitas idéias na cabeça.
Pensando friamente, e quase nove anos depois, em um bom linguajar español eu diria que: “hay que ten…