Ir al contenido principal

Trabalhar na Europa - Capítulo I.



Então....esse é um dos temas mais discutidos; questões que vira e mexe eu encontro na minha caixinha de facebook e de email. No próprio face eu já postei umas quantas vezes um passo a passo de documentos necessários e trabalho na Europa, bem como dentro de algumas comunidades que entraram em contato comigo. Mas vamos lá!! Aqui é o derradeiro e fica para quem quiser ver quantas vezes for necessário.

Galera, quando chegamos na Europa anos atrás, precisamente início de 2006, Barcelona era a “Meca” para ganhar dinheiro. Costumávamos dizer que chovia trabalho....e chovia!! Era muito comum estar trabalhando e agregar outros empregos para fazer dinheirinho extra. Diante desta desenfreada busca por mao de obra, muita gente sem permissão para trabalhar, os famosos “sin papeles”, conseguiam fácil uma vaguinha aqui e ali e assim iam ficando, se virando, ganhando dinheirinho (obvio que salários mais baixos que os de situação regular e sem contrato)  e vivendo.

Naquela época, muita gente nos perguntava....”E aí?? Dá prá ir??  Ta fácil trabalhar?”  bom...eu sempre respondia que fácil era mas que estar sem documentos regulares não era uma situação legal. A meu ver a pessoa estaria sempre em alerta, sem tranqüilidade para viver a vida. Bom, se conselho fosse coisa boa se vendia na feira né?? Acompanhei muitos amigos indo e vindo no que chamávamos o “baile da imigração”! 

Quando minha melhor amiga resolveu deixar seu emprego de quase 10 anos, aqui, na Caixa Econômica e aventurar atrás da gente eu realmente achei que ela deveria fazer as coisas como Deus manda. Deixar uma situação estável em seu país para estar ilegal em outro é algo muito sério. Então foi a partir desta situação que comecei a pesquisar mais sobre documentos, legalidade, atalhos, escolas, cursos....ufa!! E quase me tornei PHD em assuntos consulares e documentos forever and ever! Anyway....

Hoje em dia se alguém me faz as mesmas perguntas lá de cima a minha resposta é: “DE JEITO NENHUM” com letras maiúsculas mesmo!!

Gente...entendamos o seguinte, a Europa está em crise. Braba! Principalmente os países do sul: Itália, França e Espanha. A fila para seguro desemprego, que se chama Paro em espanhol, ainda é bastante grande (mesmo que ultimamente as notícias já são um pouco melhores neste quesito). Se você tem a sua cidadania ou é residente comunitário (já explicarei isso melhor em outro tópico); estudante com direito a práticas ou profissional que recebeu uma proposta de contrato, tudo ótimo!! Vai sim meu filho!! Se joga!! Porque – aqui vai meu ponto de vista - uma coisa é enfrentar a crise européia aonde os bancos atendem com as portas abertas e você pode voltar andando para casa de madrugada. Outra coisa é desbravar esta eterna crise do Brasil que consegue eleger Tiririca como deputado Federal e se vive, constantemente, com a sensação de insegurança e impunidade.  Mesmo assim, repito, não está fácil prá ninguém!! Voltando ao tema....se o seu caso não se enquadra em nenhum dos tópicos acima, ou seja, entrada básica como turista e pensando em ficar para ver se rola um trampo? Pare agora!! Peço que reconsidere todos os seus propósitos e conceitos. Longe de mim ser aquela pessoa que vai “jogar uma pá de terra” no seu sonho de “vida melhor”; até porque o conceito de vida melhor é bastante variável de um ser humano para outro. Porém, meu conselho nestes casos é e será sempre será o mesmo: para vir na paz, tem que ser dentro da lei. Fica a dica!

Esse lugar incrível se chama Villefranche-sur-Mer e faz parte da Cote D'azur (Riviera francesa).

Comentarios

  1. Pois é!Boas dicas Ju!Nossa época e condições foram outras...É o conselho que eu tb sempre dou.É preciso estar dentro da legalidade e antes de mais nada bem informado sobre as mudanças que sempre estão ocorrendo nas exigências dos trâmites...

    ResponderEliminar

Publicar un comentario

Entradas populares de este blog

O Bairro e o Mar...poeticamente La Barceloneta.

De todos os cantos do mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua, Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.                                           (Mar – Sophia de Mello Breyner Andresen)


Não posso falar de meu bairro...não posso falar de La Barceloneta sem antes postar uma imagem feita com os “olhos do meu coração”. Faz tempo que queria escrever algumas linhas boêmias sobre essas ruas pequenas, sobre estes cafés de esquina, a confusão ruidosa do mercado central, o vai e vem dos “guiris” (gringos) no passeio marítimo...faz tempo. Faz também muito tempo de minha íntima relação com La Barceloneta – o bairro favorito de minha mãe (e de meu pai). Dona Nita caminha sem rumo por estas “calles”, fascinada com o vizinho que coloca o seu varal de roupa na calçada, do lado de fora de casa, e que aos outros vizinhos não lhes importe nem o mínimo a coleção de intimidades que aí está exposta. Minha mãe que em apenas um mês pode construir uma relação de sólida amizade c…

Recomeçar do começo....

Foram muitos meses....uma pausa bastante larga...porém necessária. Todos os processos da vida requerem certo tempopara serem bem assimilados. E pensando bem, foi rápido! Nesses dez meses de ausência aqui do Blog deixamos o Brasil – no verão (e isso deve ser dito) – e voltamos a Barcelona no inverno. Lulu, nossa filha, tinha acabado de fazer um ano. Começamos em uma casa nova e dois meses mudamos a outra. Jadiel levou dois meses em um trabalho e então decidiu mudar (e já leva Oito meses no seu trabalho atual); eu que levava dois anos afastada da vida laboral por muitos motivos (entre eles meu projeto mãe) voltei à ativa....e rápido! O que para Lulu foi um pouco repentino. Passou de sua rotina de estar em casa comigo todos os dias a freqüentar uma escolinha aonde – desde as professoras até os coleguinhas – todos falavam com ela em Catalão.....e tudo na mesma semana!!! Levou dois dias exatos para se adaptar (Graças a Deus); foi uma das melhoras decisões que tomamos: sofrida, mas acertada…

Sair ou não do Brasil? Eis a questão....

Gente! Vamos combinar! Sair do aconchego, da facilidade, das delícias - e às vezes dissabores – da casa de nossos papis é bastante complicado! Imagina então quando essa saída é uma “cruzada de charco” tremenda e você vai parar lá em outro canto do mundo! Com a gente foi bem assim...
Um grande amigo – Victor Aloy – tinha resolvido viver em Barcelona. Até este ponto para mim Espanha era a terra de minha mãe, dos meus avós e dos demais parentes que nunca tínhamos conhecido. Legal! A vida inteira tivemos a dupla cidadania e nunca soubemos muito bem o que fazer com ela. Numa reviravolta do destino, Paty, minha Irma, de um dia para outro resolve “dar um tempo do Brasil” e também vai para Barcelona. Ok! Exatamente um ano depois, eu e Jadiel, três meses de casados, desembarcávamos em El Prat – aeroporto de Barcelona – com 9 malas, 6 amigos, um punhado de Euros no bolso e muitas idéias na cabeça.
Pensando friamente, e quase nove anos depois, em um bom linguajar español eu diria que: “hay que ten…