Ir al contenido principal

Trabalhar na Europa - Capítulo II (Cidadão)



Bom, com o capítulo I postado e falando sobre a dificuldade atual da ilegalidade na Europa, passamos para os que viajam com tudo “nos conformes”.
Como havia citado anteriormente, existem basicamente quatro maneiras de trabalhar legalmente na União Européia; vamos agora detalhando uma por uma.
Cidadão – Você, brasileiro querido, que aproveitou o vovô e vovó imigrantes ou até mesmo os pais, enfrentou toda a papelada (gente....dá trabalho, demora mas se seguir todos os passos e perseverar, eu prometo que dá certo) e conseguiu a sua dupla cidadania. Ótimo! Primeiro grande passo. Confesso que é um grande conforto circular pela Europa sendo cidadão até porque, entre os países que fazem parte da União, você pode viajar apenas com identidade, sem precisar tirar seu passaporte de casa (Cuidado porque existem exceçoes!).
Mas atenção! Chegando ao seu país de destino, não pense que você pode começar a trabalhar apenas apresentando o passaporte, erro que muitos brasileiros cometem no intuito de rapidamente começarem a ganhar dinheiro. Inclusive eu mesma passei por isso e enfrentei alguns problemas. No meu caso não podia esperar! Oito dias depois de pisar o solo catalão já estava trabalhando no Hard Rock (empresa que se tornaria minha segunda casa por sete anos).
Vou explicar como fazer primeiro na España e dedicarei outro post à Itália.
Quando chegar em solo espanhol a primeira coisa é assentar sua residência. Você precisa de um endereço para poder se empadronar (dizer que existe). Cada bairro, ou cada distrito, tem a sua Oficina de Empadronamiento (digitando no Google exatamente oficina de empadronamiento Barcelona ou Madrid ou tralálá, vai sair uma relação com os nomes dos bairros; localize a sua e se mande!). Para obter o Padrón você precisa levar o contrato do apartamento (Piso) em que você está vivendo. Não precisa estar em seu nome. Inclusive existe um formulário que você pode levar para casa, o titular do contrato pode preencher com os dados, anexar uma cópia do DNI (documento de identidade), assina e com esse formulário já está valendo. Normalmente nestas oficinas (escritórios) não precisa marcar atendimento, é só chegar e pegar uma senha. São, de maneira geral, bastante organizadas.
Ok! Padrón em mãos! Guarde sempre uma cópia...o padrón é importante em diversos aspectos, inclusive para tirar o seu cartão sanitário (mas isso já é outro post). Segundo passo é que você vai precisar da sua Partida de nascimento emitida pelo consulado (outro documento bastante importante que você deve levar desde o Brasil, porque como você não nasceu na Espanha não há a menor possibilidade de ir até um Registro Civil (cartório) e pedir uma segunda via). Gente, todos esses documentos devem ter menos de 6 meses de data de expedição. Olha lá!
Antigamente eram necessárias fotos tamanhos 3x2 mas agora com o DNI eletrônico me parecem que as fotos são feitas lá mesmo.
Documentos prontos, terceiro passo: Marcar a cita (cita é encontro, neste caso é o agendamento). Esta pode ser marcada tanto por internet como por telefone. https://www.citapreviadnie.es/
DICA! DICA! Marque a cita e vá se organizando. Pode demorar um pouco para chegar seu dia.
Quando chega o dia, você tem que estar presente, o processo é bem rápido. Com isso do DNI eletrônico o documento já sai no momento.
Perfeito!! Com o seu DNI em mãos o próximo passo é buscar seu número de Seguridad Social. Com este número você passa a existir para as empresas e, oficialmente, pode ter um contrato de trabalho.
Parece complicado, mas é questão de organização. Fazendo um esquema e seguindo o passo a passo tudo dá certo. DICA!! Antes de sair alucinadamente distribuindo currículos e, até mesmo, fazendo uma eventual entrevista, procure ter todos os seus documentos certinhos como Deus manda!! É muito chato dizer a um potencial empregador que “tus papeles estan en tramites”. Não dá! Por experiência própria já te digo que as empresas não providenciam isso e é uma situação que pode levar “para o brejo” uma boa oportunidade.
Ahhh!! Importante!! Quando reunir seus documentos abra conta em um banco. Indispensável para receber seu pagamento. 99.9% das empresas (sérias) só pagam mediante transferência bancária e é requisito para fazerem seu contrato; “la copia de La libreta bancária”. 
Gente...apesar de ser cidadão, ter seu numero de Seguridad Social, DNI, padron e a Espanha ser parte da comunidade européia – o que sim te dá direito de trabalhar nos países comunitários -  se você deseja trabalhar fora da Espanha deve se adequar às regras do país em questão. Por exemplo, na Itália é necessário que você adquira outro número que é o Codici Fiscale, abra conta em um banco Italiano, de preferência tenha um contrato de Piso (AP) em seu nome, ou seja, cada país é um “baile” e devemos dançar conforme a música.


Abraço e muita sorte na jornada!

Fotos: China Town/Londres UK - Galera, inacreditável como é barato e surpreendente comer por aí. Principalmente tenta entrar nos mercadinhos chineses...parece que você foi transportado a um universo paralelo oriental!! Defino China Town em uma palavra: AMOR!

Comentarios

Entradas populares de este blog

O Bairro e o Mar...poeticamente La Barceloneta.

De todos os cantos do mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua, Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.                                           (Mar – Sophia de Mello Breyner Andresen)


Não posso falar de meu bairro...não posso falar de La Barceloneta sem antes postar uma imagem feita com os “olhos do meu coração”. Faz tempo que queria escrever algumas linhas boêmias sobre essas ruas pequenas, sobre estes cafés de esquina, a confusão ruidosa do mercado central, o vai e vem dos “guiris” (gringos) no passeio marítimo...faz tempo. Faz também muito tempo de minha íntima relação com La Barceloneta – o bairro favorito de minha mãe (e de meu pai). Dona Nita caminha sem rumo por estas “calles”, fascinada com o vizinho que coloca o seu varal de roupa na calçada, do lado de fora de casa, e que aos outros vizinhos não lhes importe nem o mínimo a coleção de intimidades que aí está exposta. Minha mãe que em apenas um mês pode construir uma relação de sólida amizade c…

Recomeçar do começo....

Foram muitos meses....uma pausa bastante larga...porém necessária. Todos os processos da vida requerem certo tempopara serem bem assimilados. E pensando bem, foi rápido! Nesses dez meses de ausência aqui do Blog deixamos o Brasil – no verão (e isso deve ser dito) – e voltamos a Barcelona no inverno. Lulu, nossa filha, tinha acabado de fazer um ano. Começamos em uma casa nova e dois meses mudamos a outra. Jadiel levou dois meses em um trabalho e então decidiu mudar (e já leva Oito meses no seu trabalho atual); eu que levava dois anos afastada da vida laboral por muitos motivos (entre eles meu projeto mãe) voltei à ativa....e rápido! O que para Lulu foi um pouco repentino. Passou de sua rotina de estar em casa comigo todos os dias a freqüentar uma escolinha aonde – desde as professoras até os coleguinhas – todos falavam com ela em Catalão.....e tudo na mesma semana!!! Levou dois dias exatos para se adaptar (Graças a Deus); foi uma das melhoras decisões que tomamos: sofrida, mas acertada…

Sair ou não do Brasil? Eis a questão....

Gente! Vamos combinar! Sair do aconchego, da facilidade, das delícias - e às vezes dissabores – da casa de nossos papis é bastante complicado! Imagina então quando essa saída é uma “cruzada de charco” tremenda e você vai parar lá em outro canto do mundo! Com a gente foi bem assim...
Um grande amigo – Victor Aloy – tinha resolvido viver em Barcelona. Até este ponto para mim Espanha era a terra de minha mãe, dos meus avós e dos demais parentes que nunca tínhamos conhecido. Legal! A vida inteira tivemos a dupla cidadania e nunca soubemos muito bem o que fazer com ela. Numa reviravolta do destino, Paty, minha Irma, de um dia para outro resolve “dar um tempo do Brasil” e também vai para Barcelona. Ok! Exatamente um ano depois, eu e Jadiel, três meses de casados, desembarcávamos em El Prat – aeroporto de Barcelona – com 9 malas, 6 amigos, um punhado de Euros no bolso e muitas idéias na cabeça.
Pensando friamente, e quase nove anos depois, em um bom linguajar español eu diria que: “hay que ten…